Bem-vindo à página do Provedor de Justiça - Uma instituição aberta aos cidadãos

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Provedor de Justiça - Na Defesa do Cidadão
Pesquisar
Estado de emergência/Covid-19. Provedora de Justiça saúda resposta rápida das administrações sobre a suspensão das execuções fiscais e alerta sobre o que resta clarificar e efetivar

A Provedora de Justiça já recebeu resposta de duas das três entidades a quem recentemente dirigiu sugestões tendentes a assegurar a suspensão efetiva dos efeitos práticos de todos os processos de execução fiscal, tal como estabelecido Decreto Lei n.º 10-F/2020.

As respostas da Autoridade Tributária (AT) e do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social revelam, no essencial, boa recetividade das sugestões formuladas. A Provedora de Justiça prosseguiu, porém, o diálogo com ambas as instituições para reforçar a importância de serem respeitados os direitos dos executados.

Em novo ofício, junto da AT foi destacada a importância de ser garantido aos executados o recebimento imediato e efetivo dos reembolsos de IRS que sejam apurados durante a suspensão dos processos de execução fiscal, isto é, até 30 de junho, tendo-se ainda insistido na restituição, automática, dos valores apreendidos em circunstâncias diferentes dos que devam depender de pedido, para serem restituídos.

A instrução de casos concretos de queixas recebidas pela Provedoria de Justiça tem revelado que muitos serviços de finanças têm remetido a executados e entidades patronais respostas contrárias ao que resulta do diploma e ao que decorre das FAQ - rubrica de Perguntas Frequentes - da própria AT. Com base em tais respostas, prestadas em pleno mês de  abril, as entidades terceiras continuam a dar cumprimento a penhoras que deveriam estar suspensas.

Ao IGFSS, por seu turno, foi agora pedido que, no site da Segurança Social, se preste informação clara e inequívoca sobre as diferentes consequências deste regime excecional de suspensão e de forma não confundível com o regime normal, tendo sido ainda sublinhado ser essencial assegurar a restituição, aos executados, de valores indevidamente penhorados/apreendidos na vigência da suspensão.

A resposta da Diretora-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira chegou à Provedoria de Justiça em 29 de abril; a do Presidente do Conselho Diretivo do (IGFSS) deu entrada em 4 de maio, aguardando-se ainda resposta do Governador do Banco de Portugal.

 

Atualização

Resposta recebida da AT

2020-05-11
Última atualização a 2020-06-03
Acessibilidade
©2012 Provedor de Justiça - Todos os direitos reservados